ANÁLISE: Política não é coisa para amador


Na política, aquele que começa a entender a pedagogia real dela, começa a se apaixonar, pois é o ato de servir a população, de ter a oportunidade de mudar a realidade dos mais necessitados, nesse caso seria o apreciar, amar algo.

Mas, muitas vezes esse amor, vontade e desejo, vão se perdendo com o tempo, pois a “falta de profissionalismo” e o oportunismo, começam a mostrar que a política é uma área onde, infelizmente existem verdadeiras facções.

Existem “os caciques” dos partidos que fazem de tudo, para que aqueles que estão a sua volta, concordem com suas ideias , projetos e intenções.

Um exemplo prático, são os presidentes de partidos, que ficam com o recurso partidário em suas mãos; aliás recursos esses, que é dinheiro do povo, onde esses “caciques”, ficam pressionando os demais membros da sigla a aceitarem suas determinações.

O pior nisso tudo é que ainda existem os “sem noção” que se deixam levar pelo romantismo politiqueiro e sem saberem jogar o jogo de xadrez da Política, levam rasteiras aos 45 minutos do segundo tempo e ficam desnorteado sem rumo e sem opção.

Na Política, aquele que realmente começar à entender a didática pedagógica dela, estuda e prepara-se para o seu dinamismo diário. .

Na Política quem fica deitado no berço esplêndido de um mandato achando que faz o que quer na hora que quiser, fica para trás porque, Política não é coisa para amador.



Por Cicero Manuel dos Santos
ANÁLISE: Política não é coisa para amador ANÁLISE: Política não é coisa para amador Reviewed by ´Blog do Erivaldo Guedes on 06:02 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.